Deuteronômio - Renovação do Concerto - Pentateuco

Esboço
Introdução (1.1-5)
I - Primeiro Discurso de Moisés: Relato da História Recente de Israel (1.6—4.43)
A} - A Partida do Monte Sinai (1.6-18)
B} - A Incredulidade em Cades-Barnéia (1.19—46)
C} - As Jornadas no Deserto (2.1-15)
D} - A Chegada às Planícies de Moabe (2.16—3.29)
E} - A Exortação à Obediência (4.1-43)
II - Segundo Discurso de Moisés: Principais Deveres do Concerto (4.44—26.19)
A} - Os Dez Mandamentos (4.44—5.33)
B} - O Monoteísmo e os Imperativos (6.1-25)
C} - Mandamentos, Promessas e Advertências (7.1—11.32)
D} - Mandamentos Concernentes à Adoração (12.1-32)
E} - Mandamentos Concernentes aos Falsos Profetas (13.1-18)
F} - Mandamentos Concernentes aos Alimentos, Dízimos e ao Ano Sabático (14.1—15.23)
G} - Mandamentos a Respeito das Festas Sagradas Anuais (16.1-17)
H} - Mandamentos a Respeito das Autoridades (16.18—18.22)
I} - Leis Civis e Sociais (19.1—26.19)
III - Terceiro Discurso de Moisés: Renovação e Ratificação do Concerto (27.1—30.20)
A} - Obrigações Solenes de Israel (27.1-26)
B} - Promessas de Bênçãos por Obediência, e de Maldições por Desobediência (28.1-68)
C} - Confirmação do Concerto e Exortações Pertinentes (29.1—30.20)
IV - Os Atos Finais de Moisés e Sua Morte (31.1—34.12)
A} - Moisés Dá Instruções a Israel e Designa Josué em Seu Lugar (31.1-29)
B} - O Cântico de Moisés (31.30—32.47)
C} - As Instruções de Deus a Moisés (32.48-52)
D} - Moisés Abençoa as Tribos (33.1-29)
E} - Morte e Sepultamento de Moisés, e Conclusão (34.1-12)

Autor: Moisés
Tema: Renovação do Concerto
Data: Cerca de 1405 a.C.

Considerações Preliminares
O título “Deuteronômio” vem da Septuaginta e significa “Segunda Lei”. O livro consiste nas mensagens de despedida de Moisés, nas quais ele sumariou e renovou o concerto entre Deus e Israel, para o bem da nova geração de israelitas. Tinham chegado ao fim da peregrinação no deserto e agora estavam prontos para entrarem na terra de Canaã. A nova geração, na sua maior parte, não tinha lembrança pessoal da primeira Páscoa, da travessia do mar Vermelho, nem da outorga da lei no monte Sinai. Careciam de uma narração inspirada do concerto de Deus, da sua lei e da sua fidelidade, bem como uma renovada declaração das bênçãos resultantes da obediência e das maldições da desobediência. Enquanto o livro de Números registra as peregrinações no deserto, da rebelde primeira geração de israelitas, abrangendo um período de trinta e nove anos, Deuteronômio abrange um período de talvez um só mês, numa só localidade, nas planícies de Moabe, diretamente a leste de Jericó e do rio Jordão.
Deuteronômio foi escrito por Moisés (31.9,24-26; cf. 4.44-46; 29.1) e entreque a Israel como um documento do concerto, para ser lido por extenso diante de todo o povo, a cada sete anos (31.10-13). É provável que Moisés tenha completado o livro pouco antes da sua morte, cerca de 1405 a.C. A autoria mosaica de Deuteronômio é atestada: (1) pelo Pentateuco judaico e samaritano; (2) pelos escritores do AT (e.g., Js 1.7; 1 Rs 2.3; 2 Rs 14.6; Ed 3.2; Ne 1.8,9; Dn 9.11); (3) por Jesus (Mt 19.7-9; Jo 5.45-47), bem como escritores do NT (e.g., At 3.22,23; Rm 10.19); (4) por eruditos cristãos antigos; (5) por eruditos conservadores contemporâneos; e (6) pelas evidências internas do livro (e.g., semelhança, na estrutura literária, com textos de pactos seculares de vassalagem do século XV a.C.). O relato da morte de Moisés (cap. 34) evidentemente foi acrescentado logo após sua ocorrência (mais provavelmente por Josué) como um tributo merecido a Moisés, servo do Senhor.
Propósito
O propósito original de Moisés ao proferir seus discursos diante da nova geração de Israel, antes de entregar as rédeas do governo a Josué para efetuar a conquista de Canaã, foi exortar e instruir os israelitas a respeito: (1) dos atos poderosos de Deus e as suas promessas; (2) seus deveres segundo o concerto: a fé e a obediência; e (3) a necessidade de dedicarem-se ao Senhor, para andarem nos seus caminhos, amá-lo e honrá-lo de todo coração, alma e
forças.
Visão Panorâmica
Com toda sua devoção, Moisés recapitulou e renovou o concerto de Deus com Israel, mormente através de seus três discursos inspirados. (1) O primeiro discurso de Moisés recontou a história e o fracasso de Israel desde o monte Sinai e conclamou a nova geração a temer a Deus e a obedecer-lhe (1.6—4.43). (2) O segundo discurso de Moisés recapitulou e focalizou muitas leis do concerto, que tratavam de assuntos como a observância do sábado, o culto, os pobres, as festas sagradas anuais, a herança e os direitos de propriedade, a imoralidade sexual, senhores e servos, e a administração da justiça (4.44—26.19). (3) No seu terceiro discurso, Moisés profetizou bênçãos e maldições
que teriam os israelitas, conforme sua obediência ou desobediência ao Senhor, segundo o concerto (27.1—30.20). Os caps. finais incluem a designação de Josué por Moisés como seu sucessor e um testemunho sobre a morte de Moisés (31.1—34.12).
Características Especiais
Quatro fatos principais caracterizam Deuteronômio. (1) Ele proveu à nova geração de israelitas prestes a entrar em Canaã, o alicerce e motivação necessários para herdarem a terra prometida, ao realçar a natureza de Deus e seu concerto com Israel. (2) É “O Livro de Repetição da Lei”, no qual, Moisés, o dirigente de Israel, já com 120 anos de idade, reafirmou e resumiu (em forma de sermão) a palavra do Senhor contida nos quatro livros anteriores, do Pentateuco. (3) É “O Livro das Memórias”. Uma admoestação típica de Deuteronômio é: “Lembra-te, e não te esqueças”. Em vez de apresentar novas verdades, Deuteronômio exorta Israel a conservar e obedecer à verdade de Deus já revelada, e entregue como sua Palavra absoluta e imutável. (4) Um ponto predominante no livro é a fórmula “fé-mais-obediência”. Israel foi conclamado a confiar em Deus de modo irrestrito e a obedecer aos seus
mandamentos sem vacilação. A fé-mais-obediência capacitaria os israelitas a herdar as promessas na plenitude da bênção de Deus. A falta de fé e de obediência, por outro lado, traria o ciclo do fracasso e do julgamento.
O Livro de Deuteronômio e Seu Cumprimento no NT
Quando Jesus foi tentado pelo diabo, Ele respondeu, citando trechos de Deuteronômio (Mt 4.4,7,10, cf. Dt 8.3; 6.13,16). Quando perguntaram a Jesus qual era o maior mandamento da lei, sua resposta veio de Deuteronômio (Mt 22.37; cf. Dt 6.5). Quase cem vezes, os livros do NT citam Deuteronômio, ou a ele aludem. Uma nítida profecia messiânica deste livro (18.15-19) é citado duas vezes em Atos (3.22,23; 7.37). O cunho espiritual de Deuteronômio é fundamental à revelação do NT.

visualizar imagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário